Estrutura: Desenhar uma árvore

Abril 3, 2008

 

arvore2.jpg

Um velho amigo meu da província, um certo Leonardo, nascido numa aldeia ao pé de Florença – Vinci (código postal 50059) – era um homem muito curioso. Passava horas a observar as plantas e depois desenhava-as. Tirava notas de tudo o que ia compreendendo da maneira como as plantas se ramificam e de outras coisas do género. (…) Este Leonardo sabia muitas coisas, não só sobre as plantas não só sobre as plantas mas sobre tudo o que o rodeava. Ou melhor, até inventava coisas que não lhe estavam próximas, como, por exemplo, o helicóptero, sabia como desviar um rio, como funcionavam os órgãos do corpo humano e também sabia pintar – um quadro seu, pequeno mas famoso, está num grande museu de Paris.

Bruno Munari

O que de tão extraordinário descobriu o amigo Leonardo? Apenas isto: a regra de crescimento comum a todas as árvores que constitui a essencia da sua forma. Cada ramo é sempre mais fino do que o ramo que o precede e, começando no tronco, a árvore pode ramificar-se de várias maneiras, dividindo-se em dois, três ou mais ramos. Depois a espécie, o sítio, a temperatura, o vento, etc. fazem o resto mas a estrutura é sempre a mesma.

(textos e imagens retirados deste local)

Bruno Munari, num dos seus livros apresenta alguns desenhos (muito simples) de árvores. Podes vê-las clicando aqui. (fonte APEVT)

 

arvores-munari.jpg

Cor e Luz

Março 6, 2008
cor-e-luz.jpg

Este documento da professora Isabel Costa é mais uma ajuda para saberes mais sobe a Cor e a Luz.

Se quiseres visitar a pagina desta professora,  clica aqui


LUZ e COR

Fevereiro 25, 2008

 

luz-e-cor.jpg

É difícil imaginar um mundo sem cor! A cor é algo que nos é tão familiar que se torna para nós difícil compreender que ela não corresponde a propriedades físicas do mundo mas sim à sua representação interna, a nível cerebral. A cor é um elemento expressivo e simbólico, de fundamental importância na linguagem visual e uma das principais características do mundo que nos rodeia.

A cor é um fenómeno físico e é gerada pela luz. As formas dos objectos só são visíveis, porque a luz existe. O branco é a mistura, o conjunto de todas as cores que origina a luz pura e o preto é a ausência de cor – a escuridão.

O professor António Arnaut Duarte explica-te tudo sobre a cor aqui neste sítio.

Sobre a simbologia da cor explora com muita atenção este divertido e educativo sítio da Claudia Cortés


DESENHO DE OBSERVAÇÃO

Fevereiro 14, 2008

desobserv6.jpgO desenho pode ser definido como a interpretação de qualquer realidade, visual, emocional, intelectual, ou outra, através da representação gráfica.

O Desenho de Observação assenta em quatro conceitos básicos: Enquadramento, Composição, Perspectiva e Proporções

O desenho de observação é sobretudo um meio para se adquirir o domínio sobre os fundamentos do desenho (que não são regras), sobre a percepção visual e sobre o espaço no qual se desenvolve, seja ela bi ou tridimensional.

No exercício do desenho de observação desenvolve-se o pensamento analógico e concreto, o senso de proporção, espaço, volume e planos.

A sensibilidade e a intuição são espicaçadas enquanto se passa a apreciar melhor os outros elementos da linguagem gráfica: textura, linha, cor, estrutura, ponto e composição.


Podes ver mais desenhos de observação aqui neste sítio.

Mais desenhos aqui , aqui e já agora dá uma espreitadela a estes desenhos.


GEOMETRIA

Fevereiro 14, 2008

 

 

geeom.jpg

 

Formas simples e perfeitas

que em GEOMETRIA se aproveita

só na ideia são vividas.

Não são coisas reais

mas figuras ideais

com que as coisas são parecidas.

 

GEOMETRIA é uma ciência

quer amor e paciência

passa de avós para netos.

Suas principais funções:

estudar forma e dimensões

de todos os objectos.

 

E para haver harmonia

é preciso a GEOMETRIA,

usá-la a todo o momento.

E para ser estudada

é preciso utilizar

olhos, mãos e pensamento.

António J. Moreira

 

Figuras Geométricas Elementares (Muita informação sobre geometria)

Aprende a traçar figuras geométricas

Pontos e Rectas (definições)

Ângulos

Circunferências

Triângulos

Pológonos

 

 

 


MÁSCARAS

Fevereiro 5, 2008

Os alunos do 6º Ano trabalharam a máscara tridimensional nesta unidade de trabalho tendo como referência o Carnaval. Na sua criação foram usados preferencialmente materiais reutilizados ou recuperados. Os resultados podem ser observados aqui.

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!

 

FAZER MÁSCARAS COM BALÕES

Janeiro 31, 2008

mascara_balao.jpg

“A arte de modelar teve o seu início na pré-história. O homem primitivo cedo começou a modelar diversos utensílios e também imagens com fins mágicos e religiosos. O material que dispunha na época (barro), depois de o modelar deixava-o secar ao sol. Frequentemente associamos o termo modelação à argila ou barro ou ainda à plasticina. Mas, se modelar é dar forma a um determinado material, poderemos associar a modelação a muitos outros materiais. Assim, talhar a madeira, repuxar o metal (estanho, cobre, etc.) ou dar forma a uma máscara de carnaval, são formas diferentes de modelar.
Para cada material e técnica de modelar, utilizamos diferentes utensílios e ferramentas. Para modelar o barro usamos os teques; para a chapa usamos repuxadores próprios ou a ponta de uma esferográfica; para talhar a madeira usamos formões e goivas. As máscaras foram desde sempre um elemento rico em expressividade e simbologia. Aparecem em várias partes do mundo ligadas a actos religiosos, culturais e receativos. Muitas pessoas associam as máscaras ao Carnaval. A tradição de usar máscaras remete aos ancestrais rituais pagãos, nos quais se usavam máscaras para proteger dos espíritos malignos quando andavam vagueando. No Carnaval, elas servem para divertir ou para caracterizar os personagens.
Como tal, as máscaras têm uma forma e uma função.”

Texto retirado daqui.

Aprende a fazer máscaras com balões aqui e aqui.